notícias

6 dicas para escolher um bom Curso Técnico

Fazer um curso técnico pode ser uma ótima escolha para quem quer entrar logo no mercado de trabalho ou pretende mudar de área. Esse tipo de curso tem foco na prática e prepara o aluno para vagas que pedem por profissionais especializados. Você pode começar o técnico ainda quando estiver no ensino médio. Porém, para pegar o diploma, é necessário que tenha terminado o colegial.

Uma das maiores diferenças entre o curso técnico e a faculdade é a duração: um técnico dura entre um ou dois anos, enquanto um curso de bacharelado leva de quatro a seis anos. Por isso, esse tipo de ensino é mais procurado por quem pretende entrar rapidamente no mercado. “Como os técnicos focam questões práticas e favorecem vivência e experiência profissional, quem se forma neles têm um ótimo grau de empregabilidade”, assegura Ana Kuller, coordenadora de educação do Senac São Paulo.

Porém, vale lembrar que o curso técnico não serve como graduação e, por isso, você não pode fazer uma pós-graduação se tiver apenas este diploma. Por isso, o salário de um técnico pode ser mais baixo que o de outro profissional com níveis mais altos de ensino, dependendo da área. “Mas o foco que cada um dá para a própria carreira, por meio da escolha do campo de atuação ou de uma formação que combine diferentes cursos, pode influenciar em uma remuneração maior”, afirma Ana. Para ter uma ideia de quanto cada nível de profissional recebe, você pode conferir a tabela de salários da Catho, basta clicar na área de atuação que você está procurando.

E mais: se você optar por um curso técnico, procure checar se o curso que você pretende fazer atende às suas expectativas e tem qualidade!

Quer saber como descobrir tudo isso? Confira nossas dicas e bons estudos!

1. Leve em conta o seu perfil
Você está cursando o ensino médio ou já se formou? Caso ainda esteja cursando, pode escolher entre dois cursos: integrados ou concomitantes. No integrado, é feito uma mesma matrícula para o ensino médio e o curso técnico, ou seja, você tem aulas de disciplinas do ensino médio aliadas à educação profissional. Já no concomitante as aulas do ensino médio e do curso técnico são dadas separadamente, então cada um tem uma matrícula diferente. Mas se você já concluiu o ensino médio, fará um curso técnico chamado de subsequente.

2. Pense no tipo de curso técnico que você quer fazer
É possível escolher entre três categorias de cursos técnicos: qualificação, habilitação ou especialização. No primeiro caso, você recebe uma certificação intermediária, em que se qualifica para uma determinada área de atuação. O tipo habilitação é voltado para as profissões técnicas que o mercado oferece. E, por fim, a especialização tem foco no aprofundamento de alguma área do mercado de trabalho. Leve em conta que tipo de formação está mais próxima do que você procura.

3. Consulte no site do Ministério da Educação (MEC) os cursos técnicos disponíveis
Essa pesquisa é importante para você conferir todas as opções e avaliar qual modalidade de curso te interessa e em qual área (ver link no final da matéria).

4. Pesquise quais opções de curso técnico estão em alta no mercado de trabalho
Isso pode ajudar na hora da escolha, principalmente para os mais indecisos. Entre os cursos técnicos que serão os mais procurados até 2015 estão aqueles na área industrial, como eletroeletrônica e mecânica, e os que preparam para atuação em empresas, como os cursos de programação e análise de marketing.

5. Procure uma instituição que o ofereça o curso técnico escolhido
O MEC não avalia nem certifica os cursos técnicos, mas eles são autorizados pelos Órgãos Estaduais de Educação. Por isso, o caminho mais seguro é digitar no Google “conselho estadual de educação” e pesquisar as instituições que estão listadas no seu estado. Você também pode encontrar cursos técnicos pelo Pronatec, pelo Senac e pelo Senai. 

6. Veja se a escola escolhida tem parceria com algum programa de financiamento estudantil
Um exemplo é o FIES, o financiamento estudantil do governo que tem as melhores taxas de juros do mercado. Assim, fica mais fácil bancar o estudo, caso a grana esteja apertada. Existem mais três tipos de financiamento de cursos técnicos.

Fonte: Konkero